domingo, 7 de março de 2010

e para começar bem a semana, um poema do Afonso Romano de Santana:

Chegando em casa

Chegando em casa
com a alma amarfanhada
e escura
das refregas burocráticas
leio sobre a mesa
um bilhete que dizia:

- hoje 22 de agosto de 1994
meu marido perdeu, deste terraço:

mais um pôr de sol no Dois Irmãos
o canto de um bem-te-vi
e uma orquídia que entardecia
sobre o mar

2 comentários:

  1. êita diálogo poético, esse desses dois :)

    e legitimamente em público rsrsr

    ResponderExcluir